​​​​Escolher carro para frota​ não é uma tarefa simples. Isso, porque é preciso entender no detalhe qual o melhor tipo de veículo para cada operação. E mais: depois de definir os modelos e categorias, ainda é necessário decidir quais marcas oferecem recursos compatíveis com a necessidade do negócio e a melhor relação de custo-benefício

Pensando em facilitar um pouco essa etapa, preparamos este miniguia com os tipos ideais de carro para frota. Confira! 

 

Compacto: praticidade e economia 

Geralmente, carros compactos são recomendados para serviços de atendimento ao cliente dentro da cidade. Em outras palavras, é o tipo de automóvel ideal para trabalhos regionais e sem transporte de carga.  

É o caso de veículos utilizados por técnicos de empresas telefônicas, corretores de imóveis e equipe de vendas de serviços. Vale lembrar que, dependendo do ramo, o automóvel pode precisar de alguma personalização – como a adição de porta-escada, por exemplo. 

E a preferência se dá por vários motivos. Carros compactos são fáceis de manobrar e cabem em vagas limitadas, deixando bem mais prático o dia da equipe na cidade. Leves, com motores menores e sistema flex, eles também gastam menos combustível.  

As versões mais modernas incluem sistemas de otimização de performance e outros confortos, como direção eletro-hidráulica. Além disso, a variedade de estilos dos carros compactos é grande, permitindo uma escolha que englobe custo-benefício e design consoante à marca da empresa.  

 

Sedan: espaço e conforto 

Já os carros sedans se destacam pelo espaço amplo – tanto na área dos passageiros, quanto porta-malas. Por isso, é uma categoria multifuncional de carro para frota. Servem tanto para os colaboradores que ocupam cargos de liderança, quanto para equipes que transportam cargas pequenas, como empresas farmacêuticas, por exemplo.  

Utilitário: robustez e confiança   

Furgões e caminhonetes são ideais para empresas que precisam deslocar pedidos ou material de trabalho. Transportadoras de medicamentos, entregas de alimentos ou prestação de serviços de manutenção (como jardinagem e encanamento) são alguns exemplos de setores que utilizam a categoria.  

Enquanto as caminhonetes têm carroceria aberta, permitindo flexibilidade quanto à altura dos materiais, furgões vêm com a parte da carga fechada. Por isso, seu uso é ideal para centros mais movimentados e para cargas que não podem ficar expostas às condições climáticas.  

SUV e sedan premium: segurança e performance 

Apesar de tamanhos e estilos diferentes, os carros SUV e sendans premium acabam desempenhando funções parecidas quando o assunto é frota de veículos. Por serem mais confortáveis e contarem com dispositivos extras de segurança, são ideais para viagens e transporte de executivos da empresa

Nos SUVs, a tração quatro por quatro e altura são os diferenciais. Já nos sedans premium, a performance que une maciez e esportividade se destacam. Em ambos, recursos como controle de cruzeiro e estabilidade, maior quantidade de airbags e monitoramento de fadiga são atrativos que incrementam a segurança na estrada.  

Assentos de couro e bancos aquecidos, câmbio automático e sistemas multimídia são alguns mimos que essas categorias oferecem para colaborar com o conforto.  

 

Como escolher o melhor carro para frota? 

O ponto de partida para escolher os carros ideais para a frota é fazer um levantamento das necessidades operacionais da empresa. Na sequência, é necessário fazer uma pesquisa encorpada sobre os modelos que mais têm a ver com o negócio – tanto em termos de economia e performance, quanto estilo, funções e custo-benefício.  

Com essas definições estabelecidas, a escolha dos modelos para a sua frota pode ser mais assertiva.  

Outra maneira de acertar o melhor carro para frota é contar com a experiência de empresas de terceirização de frotas.  

Em parceria com o gestor de frotas da empresa, a Localiza, por exemplo, desenha a melhor alternativa para o seu negócio. E outra vantagem da frota terceirizada  é que sua empresa sempre vai contar com veículos novos, sem precisar se preocupar com a venda e depreciação dos modelos.