A Gestão 2.0 é fruto da internet, que proporcionou muito mais acesso à informação para os consumidores. Por isso, é um tipo de gerenciamento que vai além de uma estratégia de comunicação. Trata-se de uma mudança de processos internos, que deve priorizar o atendimento e a troca de informações com o cliente. Quer entender mais sobre ela e como você pode aplicá-la no dia a dia da frota? Confira!

Gestão 2.0: o que é

 

A Gestão 2.0 é uma forma de gerenciamento colaborativa que prioriza o diálogo. Gary Hamel, especialista em negócios, explica ao portal norte-americano HuffPost que essa forma de gestão surgiu da internet.

 

Por meio de blogs, fóruns e redes sociais, o consumidor se tornou muito mais empoderado e informado. E para acompanhar o novo comportamento de seus clientes, as empresas também precisam transformar a maneira como administram os negócios: principalmente ouvindo e dialogando com as pessoas.

 

Nesse sentido, em artigo para a IBM, o professor Carlos Nepomuceno explica que a Gestão 2.0 não se trata de um modelo de comunicação opcional. É uma forma de gerenciamento mais aberta e que, mais cedo ou mais tarde, todas as empresas deverão adotar.

​​ 

Assim, segundo Nepomuceno, a Gestão 2.0 inclui:

 

Mudança de mentalidade na organização: implementação de novas tecnologias, processos e perfis profissionais que priorizem a troca de informações com os clientes – agora, empoderados pelas mídias virtuais.

Atendimento passa a ser uma ponte entre empresa e cliente: dali vêm as informações sobre o consumidor e elas devem ser usadas para aprimorar o negócio.

 

Leia também: Como melhorar o atendimento ao cliente​

 

Gestão 2.0: princípios


Pensando na Gestão 2.0 como uma forma mais aberta de gerenciamento, que promove um diálogo mais rico com o consumidor e que emergiu da utilização da internet, é possível entender que existem algumas práticas fundamentais. Destacamos os princípios mais interessantes a partir d​o artigo do periódico Social Computing Journal.

 

Diálogo

A empresa deixa de fazer uma comunicação unilateral e passa a criar peças que promovem o diálogo – ou seja, uma troca de informações onde o cliente também tem espaço para participar. Tudo isso pode acontecer em plataformas como blogs, redes sociais, sistemas, chats e outros recursos propiciados pela internet.

 

Ideias de todos os lados​

Antigamente, as iniciativas e estratégias partiam apenas de cima para baixo. Com a Gestão 2.0, essa prática deixa de ser a única solução e abre espaço para ideias que vêm dos clientes e dos setores de atendimento. Inclusive, Gary Hamel incentiva que as soluções sejam propostas especialmente pelas áreas da empresa que mais têm contato com o consumidor.

​​ 

Agilidade​​

Dentro da empresa, é fundamental que os projetos sejam gerenciados com foco na transparência, eficiência e simplicidade, evitando burocracias. Dessa forma, é possível absorver as mudanças de cenário que ocorrem durante o desenvolvimento das ações. Aqui, o método Scrum​ pode ajudar.

 

 

Como a Gestão 2.0 é aplicada na gestão de frotas

 

Os conceitos da Gestão 2.0 podem ser aplicados na gestão de frotas da empresa para aprimorar o processo de administração dos veículos. Consequentemente, toda a cadeia de operações fica mais eficiente e preparada para captar as necessidades do consumidor conectado. Entenda como.

 

1. Diálogo entre gestor e condutores​​

Além de fundamental para a relação entre companhia e consumidor, o diálogo é indispensável para as tratativas internas. A comunicação entre a equipe precisa ser em duas vias, uma vez que o time de campo pode dar ideias para melhoria de performances e o time de gestão pode orientar quanto a melhores práticas.

 

Aqui, algumas técnicas e ferramentas podem ajudar:

 

DDS: o Diálogo Diário de Segurança é um momento breve para passar orientações aos condutores e para ouvir deles os insights do dia a dia operacional.

 

#MeuCarro: uma solução simples, que permite ao condutor agendar manutenções ou informar o time de gestão sobre outras necessidades relacionadas ao carro.

​ 

2. Ferramentas simples e eficientes

 

Outra forma de aplicar a Gestão 2.0 no setor de frotas da empresa é a partir da utilização de ferramentas que tornem o trabalho mais eficiente, simples, ágil e aberto ao diálogo e transparência.

 

O MyFleet, por exemplo, é um portal do gestor que une numa mesma plataforma todas as informações sobre os veículos e condutores. ​Com ele, além de conhecer a situação de cada carro, histórico do colaborador e dar a tratativa para diferentes situações – como manutenções e multas – é possível extrair relatórios de indicadores que ajudam a estabelecer diálogos com o time e tomar melhores decisões.

Aproveite e conheça outros sistemas de gestão de frotas que podem ajudar a praticar a Gestão 2.0 e melhorar a produtividade da sua empresa.