​​​Se você quer entender o que é gestão de riscos e como ela pode ajudar a sua empresa, veio ao lugar certo. Preparamos este miniguia em que você entenderá o conceito, os benefícios e como desenvolver um gerenciamento dessa natureza para a área de frotas. Confira!​


Gestão de riscos: o que é

A gestão de riscos é a análise e a tratativa de situações arriscadas para a empresa. Em outras palavras, significa estudar tudo que pode dar errado e quais medidas devem ser tomadas para evitar ou minimizar essas falhas.

Para tornar a compreensão mais clara, vamos a um exemplo clássico: quando uma empresa vai lançar um novo produto, a equipe de gestão de riscos avalia as possibilidades que tal lançamento traz. Vai ser bem aceito? O preço será competitivo, mas ao mesmo tempo trará lucros? A empresa não perderá muito dinheiro caso as vendas sejam ruins?

Então, depois de levantar essas hipóteses, o time de gestão de riscos envolve os outros setores da empresa para criar as soluções. Pesquisa de mercado, levantamento de custos, estudo de orçamento, previsão de vendas e planejamento de marketing são algumas das ações preventivas resultantes.

 

Gestão de riscos: quais os benefícios

Fazer uma gestão de riscos adequada traz inúmeros benefícios ao negócio. Destacamos os principais deles. Confira!​​

1. Redução de perdas financeiras


Uma das principais vantagens da gestão de riscos é que ela permite economia e redução de desperdícios. Com ela, é possível fazer uma análise de diversos cenários, o que permite ao gestor tomar melhores decisões.

Um exemplo da redução de perdas financeiras com a gestão de riscos está na relação entre frota própria e frota terceirizada, por exemplo.

Ao analisar os riscos de adoção da frota própria, muitas empresas percebem que os gastos com carros comprados no CNPJ podem ser exorbitantes. E comparando essa alternativa com a de frota terceirizada, percebem que a terceirização representa muito mais segurança e economia.

 

Ou seja, graças à gestão de riscos, podem escolher um caminho que evita gastos desnecessários e rombos no orçamento. ​

2. Aumento da competitividade


Mais um importante benefício da gestão de riscos é a conquista de espaço no mercado. Além de ajudar a eliminar brechas de insucesso, a gestão permite melhorar aspectos daquilo que está sendo analisado.

Voltando ao exemplo do lançamento de produto: imagine que o risco de aceitação do público é levantado. A equipe de pesquisa faz um estudo aprofundado e descobre que, no formato atual, ele não teria muito sucesso com a faixa etária.

O time de produto pensa em como mudar alguns aspectos para atingir o público desejado e a equipe de marketing elabora estratégias para agregar valor.

Feitas as análises e novas pesquisas, a empresa descobre que o produto – agora reformulado e com nova abordagem de venda – tem tudo para dar certo. O lançamento ocorre e, conforme o previsto, é um sucesso.

Como resultado, além das vendas, a empresa ganha espaço entre os consumidores e fortalece sua marca. Ou seja, torna-se mais competitiva - e a gestão de riscos está fortemente envolvida nesse processo.

 

Leia também: 10 dicas de como ser um bom gestor

​ 

Como fazer uma gestão de riscos eficiente

Para realizar uma gestão de riscos que realmente ajude a nortear soluções e melhorias, é necessário contar com alguns procedimentos e ferramentas – especialmente quando o assunto é gerenciamento de frotas. Acompanhe:

​ 

1. Trabalhe com informação

O ponto de partida para a gestão de riscos é ter em mãos informações sobre o ambiente externo e interno da empresa.

Quanto ao que acontece lá fora, é fundamental conhecer os desafios do setor de atuação como um todo, o momento vivido na economia, as tendências do consumidor e as pautas discutidas pela comunidade, por exemplo.

Internamente, é preciso reconhecer os pontos fracos da companhia, o perfil dos colaboradores, as limitações orçamentárias e as metas do negócio.

Todo esse compilado de informações permite uma análise bastante completa da situação, permitindo que os riscos sejam reconhecidos – e consequentemente, medidas preventivas e sejam tomadas.

​ 

2. Classifique riscos, probabilidade e solução

Depois de entender quais são os riscos dentro de um determinado cenário, é importante entender qual a intensidade do impacto de cada um deles e a probabilidade de que se concretizem.

Assim, é possível desenvolver soluções e medidas compatíveis para erradicar o risco com a proporcionalidade ideal, sem desperdício de força de trabalho ou de recursos – mas ao mesmo tempo, sem falhar por falta de ação.

​ 

3. Utilize ferramentas integradas e inteligentes

Evidentemente, para fazer uma gestão de riscos eficaz é importante trabalhar com dados confiáveis. Por isso, sistemas de gestão integrados se tornam aliados importantes. Eles reúnem informações em um mesmo ambiente, permitindo que o gestor tenha acesso aos números reais da empresa de forma precisa. ​

O MyFleet, por exemplo, é um sistema de gestão de frotas ideal para entender tudo o que acontece com os carros e equipe de condutores. Nele, é possível administrar informações e dar tratativas em uma única plataforma. Além disso, com apenas alguns cliques o sistema entrega relatórios e indicadores que mostram tudo que o gestor quer saber, dentro do recorte de tempo e de tipo de informação que ele precisa. ​

Ou seja: com informações em mãos, é possível visualizar os riscos e probabilidades – abrindo espaço para o desenvolvimento de soluções que vão evitar perdas financeiras e vão ajudar a empresa a se consolidar.

 

Aproveite e conheça os sistemas de gestão que auxiliam na gestão de riscos.